Trabalhos Disponíveis

TRABALHO Ações
Identificação de lacunas na conservação de morcegos no estado de Mato Grosso do Sul por meio de modelos de distribuição potencial de espécies
Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
Tipo Trabalho de Conclusão de Curso
Data 22/10/2017
Área ECOLOGIA
Orientador(es)
  • Jose Manuel Ochoa Quintero
Coorientador(es)
    Orientando(s)
    • Elice Garcia Manhães
    Banca
    • Antonio Conceicao Paranhos Filho
    • Ludmilla Moura de Souza Aguiar
    • Reinaldo Francisco Ferreira Lourival
    • Roberto Macedo Gamarra
    • Sussi Missel pacheco
    Resumo A análise de lacunas é uma ferramenta utilizada para dar base científica à tomada de decisões para a criação de áreas protegidas ou para validar áreas pré-existentes. Igualmente possibilita a identificação de regiões geográficas com alta concentração de espécies, mas que não estão inclusas nas áreas protegidas. Desse modo tem-se usado a modelagem preditiva de distribuição para reconhecer áreas com maior probabilidade de ocorrência de espécies. A rede de reservas brasileiras abrange, dentre outros domínios, dois “hotspots” de conservação: Cerrado e Mata Atlântica. Mato Grosso do Sul é um estado brasileiro que apresenta grande heterogeneidade ambiental, nele ocorrem os dois biomas considerados “hotspots” nacionais e a maior parte do Pantanal, que recebe os títulos de Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural Mundial. Para proteger toda essa riqueza de ambientes e espécies, o estado de Mato Grosso do Sul conta com 133 áreas protegidas, mas apenas 1,29% são de Proteção Integral. Estudos recentes indicam a necessidade de criação de novas áreas protegidas na região, para garantir a conservação das populações vegetais, visto que as atuais são insuficientes e reforçam a teoria de terras sem valor. Neste estudo foi modelada a distribuição potencial de 54 espécies de morcegos que ocorrem em Mato Grosso do Sul, e apresentam acima de 15 registros diferentes de ocorrência. Todas as espécies modeladas estão representadas dentro da rede de unidades de conservação estaduais, porém, em uma porcentagem muito baixa de suas áreas potenciais de ocorrência. Segundo a informação sobre a distribuição potencial das espécies modeladas, a área de maior adequabilidade ambiental para os morcegos foi no Pantanal do Paraguai, Paiaguás, Nhecolândia e na Serra da Bodoquena. O mapa também apresenta probabilidade média de riqueza potencial em áreas de lacunas de inventários de quirópteros no norte do Pantanal e uma faixa de sudeste a nordeste do estado. O direcionamento de estudos e inventários faunísticos nessas áreas poderá reduzir as lacunas no conhecimento não apenas de espécies de morcegos, mas também para outros grupos taxonômicos além de auxiliar a identificação de áreas prioritárias para a conservação como AICOMs e SICOMs.
    Download
      Efeito dos fatores locais e espaciais na estrutura de comunidade de Odonata em Lagoas permanentes na transição Cerrado Mata Atlântica
      Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
      Tipo Trabalho de Conclusão de Curso
      Data 10/10/2017
      Área ECOLOGIA
      Orientador(es)
        Coorientador(es)
        Orientando(s)
          Banca
          • Fabio de Oliveira Roque
          • Leandro Juen
          • Marciel Elio Rodrigues
          Resumo Resumo: Este trabalho teve por objetivo investigar a importância relativa dos fatores ambientais locais e espaciais sobre a abundância, riqueza e composição de metacomunidades de Odonata em lagoas permanentes. O estudo foi realizado nas várzeas do Rio Ivinhema entre os meses de junho e setembro de 2016. Foram amostradas 32 lagoas permanentes. Coletamos 1.196 indivíduos, pertencentes à 39 espécies, 19 gêneros e três famílias, das quais 25 espécies pertencem à subordem Anisoptera e 14 à Zygoptera. Nossos resultados revelaram que a comunidade de Odonatas foi melhor explicada pelas variáveis ambientais (F4,23 = 1,97, P = 0,002). Preditores espaciais não apresentaram relação significativa com a variação na composição de espécies (F3,23 = 1,19, P = 0,229). Variáveis ambientais independentes da estrutura espacial explicaram 10% da variação na composição de espécies. Quando as subordens foram analisadas separadamente, a composição da comunidade de Zygoptera e de Anisoptera também foram explicadas pelos fatores ambientais. Contudo, em Zygoptera, o componente puramente ambiental apresentou maior explicação (F4,25 = 2,76, P = 0,002). As variáveis ambientais que melhor explicaramo padrão de distribuição da comunidade total de Odonata foram condutividade elétrica, oxigênio dissolvido, temperatura da água e área.

          Palavras-chave: metacomunidade, Odonata, lagoa.

          Abstract: This work aimed to investigate the contribution of local environmental and spatial factors on the abundance, wealth and metacommunity composition of Odonata in permanent ponds. The study was conducted in the floodplains of the Ivinhema River between June and September 2016. Collect 1.196 individuals, belonging to the 39 species, 19 genera and three families, of which 25 species belonging to the suborder Anisoptera and 14 the Zygoptera. Our results revealed that the community of Odonata was best explained by environmental variables (F4 = 1.97 .23, P = 0.002). Spatial predictors showed no significant relationship with the variation in species composition (.23 F3 = 1.19, P = 0.229). Environmental variables independent of spatial structure explained 10% of the variation in species composition. When the suborders were analyzed separately, the composition of the community of Zygoptera and Anisoptera were also explained by environmental factors. However, in Zygoptera, the purely environmental component was more explanation (F4 .25 = 2.76, P = 0.002). The environmental variables that best explain the pattern of distribution of total community of Odonata were electrical conductivity, dissolved oxygen, temperature of the water and the area.
          Download
          Efeito dos fatores locais e espaciais na estrutura de comunidade de Odonata em Lagoas permanentes na transição Cerrado Mata Atlântica
          Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
          Tipo Trabalho de Conclusão de Curso
          Data 10/10/2017
          Área ECOLOGIA
          Orientador(es)
          • Danilo Bandini Ribeiro
          Coorientador(es)
            Orientando(s)
            • Alessandra dos Santos Venturini do Prado
            Banca
            • Fabio de Oliveira Roque
            • Leandro Juen
            • Marciel Elio Rodrigues
            Resumo Resumo: Este trabalho teve por objetivo investigar a importância relativa dos fatores ambientais locais e espaciais sobre a abundância, riqueza e composição de metacomunidades de Odonata em lagoas permanentes. O estudo foi realizado nas várzeas do Rio Ivinhema entre os meses de junho e setembro de 2016. Foram amostradas 32 lagoas permanentes. Coletamos 1.196 indivíduos, pertencentes à 39 espécies, 19 gêneros e três famílias, das quais 25 espécies pertencem à subordem Anisoptera e 14 à Zygoptera. Nossos resultados revelaram que a comunidade de Odonatas foi melhor explicada pelas variáveis ambientais (F4,23 = 1,97, P = 0,002). Preditores espaciais não apresentaram relação significativa com a variação na composição de espécies (F3,23 = 1,19, P = 0,229). Variáveis ambientais independentes da estrutura espacial explicaram 10% da variação na composição de espécies. Quando as subordens foram analisadas separadamente, a composição da comunidade de Zygoptera e de Anisoptera também foram explicadas pelos fatores ambientais. Contudo, em Zygoptera, o componente puramente ambiental apresentou maior explicação (F4,25 = 2,76, P = 0,002). As variáveis ambientais que melhor explicaramo padrão de distribuição da comunidade total de Odonata foram condutividade elétrica, oxigênio dissolvido, temperatura da água e área.

            Palavras-chave: metacomunidade, Odonata, lagoa.

            Abstract: This work aimed to investigate the contribution of local environmental and spatial factors on the abundance, wealth and metacommunity composition of Odonata in permanent ponds. The study was conducted in the floodplains of the Ivinhema River between June and September 2016. Collect 1.196 individuals, belonging to the 39 species, 19 genera and three families, of which 25 species belonging to the suborder Anisoptera and 14 the Zygoptera. Our results revealed that the community of Odonata was best explained by environmental variables (F4 = 1.97 .23, P = 0.002). Spatial predictors showed no significant relationship with the variation in species composition (.23 F3 = 1.19, P = 0.229). Environmental variables independent of spatial structure explained 10% of the variation in species composition. When the suborders were analyzed separately, the composition of the community of Zygoptera and Anisoptera were also explained by environmental factors. However, in Zygoptera, the purely environmental component was more explanation (F4 .25 = 2.76, P = 0.002). The environmental variables that best explain the pattern of distribution of total community of Odonata were electrical conductivity, dissolved oxygen, temperature of the water and the area.
            Download
              Identificação de lacunas na conservação de morcegos no estado de Mato Grosso do Sul por meio de modelos de distribuição potencial de espécies
              Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
              Tipo Trabalho de Conclusão de Curso
              Data 22/09/2017
              Área ECOLOGIA
              Orientador(es)
                Coorientador(es)
                Orientando(s)
                  Banca
                  • Antonio Conceicao Paranhos Filho
                  • Ludmilla Moura de Souza Aguiar
                  • Reinaldo Francisco Ferreira Lourival
                  • Roberto Macedo Gamarra
                  Resumo A análise de lacunas é uma ferramenta utilizada para dar base científica à tomada de decisões para a criação de áreas protegidas ou para validar áreas pré-existentes. Igualmente possibilita a identificação de regiões geográficas com alta concentração de espécies, mas que não estão inclusas nas áreas protegidas. Desse modo tem-se usado a modelagem preditiva de distribuição para reconhecer áreas com maior probabilidade de ocorrência de espécies. A rede de reservas brasileiras abrange, dentre outros domínios, dois “hotspots” de conservação: Cerrado e Mata Atlântica. Mato Grosso do Sul é um estado brasileiro que apresenta grande heterogeneidade ambiental, nele ocorrem os dois biomas considerados “hotspots” nacionais e a maior parte do Pantanal, que recebe os títulos de Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural Mundial. Para proteger toda essa riqueza de ambientes e espécies, o estado de Mato Grosso do Sul conta com 133 áreas protegidas, mas apenas 1,29% são de Proteção Integral. Estudos recentes indicam a necessidade de criação de novas áreas protegidas na região, para garantir a conservação das populações vegetais, visto que as atuais são insuficientes e reforçam a teoria de terras sem valor. Neste estudo foi modelada a distribuição potencial de 54 espécies de morcegos que ocorrem em Mato Grosso do Sul, e apresentam acima de 15 registros diferentes de ocorrência. Todas as espécies modeladas estão representadas dentro da rede de unidades de conservação estaduais, porém, em uma porcentagem muito baixa de suas áreas potenciais de ocorrência. Segundo a informação sobre a distribuição potencial das espécies modeladas, a área de maior adequabilidade ambiental para os morcegos foi no Pantanal do Paraguai, Paiaguás, Nhecolândia e na Serra da Bodoquena. O mapa também apresenta probabilidade média de riqueza potencial em áreas de lacunas de inventários de quirópteros no norte do Pantanal e uma faixa de sudeste a nordeste do estado. O direcionamento de estudos e inventários faunísticos nessas áreas poderá reduzir as lacunas no conhecimento não apenas de espécies de morcegos, mas também para outros grupos taxonômicos além de auxiliar a identificação de áreas prioritárias para a conservação como AICOMs e SICOMs.
                  Download
                  Identificação de lacunas na conservação de morcegos no estado de Mato Grosso do Sul por meio de modelos de distribuição potencial de espécies
                  Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                  Tipo Trabalho de Conclusão de Curso
                  Data 22/09/2017
                  Área ECOLOGIA
                  Orientador(es)
                    Coorientador(es)
                    Orientando(s)
                      Banca
                        Resumo A análise de lacunas é uma ferramenta utilizada para dar base científica à tomada de decisões para a criação de áreas protegidas ou para validar áreas pré-existentes. Igualmente possibilita a identificação de regiões geográficas com alta concentração de espécies, mas que não estão inclusas nas áreas protegidas. Desse modo tem-se usado a modelagem preditiva de distribuição para reconhecer áreas com maior probabilidade de ocorrência de espécies. A rede de reservas brasileiras abrange, dentre outros domínios, dois “hotspots” de conservação: Cerrado e Mata Atlântica. Mato Grosso do Sul é um estado brasileiro que apresenta grande heterogeneidade ambiental, nele ocorrem os dois biomas considerados “hotspots” nacionais e a maior parte do Pantanal, que recebe os títulos de Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural Mundial. Para proteger toda essa riqueza de ambientes e espécies, o estado de Mato Grosso do Sul conta com 133 áreas protegidas, mas apenas 1,29% são de Proteção Integral. Estudos recentes indicam a necessidade de criação de novas áreas protegidas na região, para garantir a conservação das populações vegetais, visto que as atuais são insuficientes e reforçam a teoria de terras sem valor. Neste estudo foi modelada a distribuição potencial de 54 espécies de morcegos que ocorrem em Mato Grosso do Sul, e apresentam acima de 15 registros diferentes de ocorrência. Todas as espécies modeladas estão representadas dentro da rede de unidades de conservação estaduais, porém, em uma porcentagem muito baixa de suas áreas potenciais de ocorrência. Segundo a informação sobre a distribuição potencial das espécies modeladas, a área de maior adequabilidade ambiental para os morcegos foi no Pantanal do Paraguai, Paiaguás, Nhecolândia e na Serra da Bodoquena. O mapa também apresenta probabilidade média de riqueza potencial em áreas de lacunas de inventários de quirópteros no norte do Pantanal e uma faixa de sudeste a nordeste do estado. O direcionamento de estudos e inventários faunísticos nessas áreas poderá reduzir as lacunas no conhecimento não apenas de espécies de morcegos, mas também para outros grupos taxonômicos além de auxiliar a identificação de áreas prioritárias para a conservação como AICOMs e SICOMs.
                        Download
                          Identificação de lacunas na conservação de morcegos no estado de Mato Grosso do Sul por meio de modelos de distribuição potencial de espécies
                          Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                          Tipo Trabalho de Conclusão de Curso
                          Data 22/09/2017
                          Área ECOLOGIA
                          Orientador(es)
                            Coorientador(es)
                            Orientando(s)
                              Banca
                              • Antonio Conceicao Paranhos Filho
                              • Ludmilla Moura de Souza Aguiar
                              • Reinaldo Francisco Ferreira Lourival
                              • Roberto Macedo Gamarra
                              Resumo A análise de lacunas é uma ferramenta utilizada para dar base científica à tomada de decisões para a criação de áreas protegidas ou para validar áreas pré-existentes. Igualmente possibilita a identificação de regiões geográficas com alta concentração de espécies, mas que não estão inclusas nas áreas protegidas. Desse modo tem-se usado a modelagem preditiva de distribuição para reconhecer áreas com maior probabilidade de ocorrência de espécies. A rede de reservas brasileiras abrange, dentre outros domínios, dois “hotspots” de conservação: Cerrado e Mata Atlântica. Mato Grosso do Sul é um estado brasileiro que apresenta grande heterogeneidade ambiental, nele ocorrem os dois biomas considerados “hotspots” nacionais e a maior parte do Pantanal, que recebe os títulos de Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural Mundial. Para proteger toda essa riqueza de ambientes e espécies, o estado de Mato Grosso do Sul conta com 133 áreas protegidas, mas apenas 1,29% são de Proteção Integral. Estudos recentes indicam a necessidade de criação de novas áreas protegidas na região, para garantir a conservação das populações vegetais, visto que as atuais são insuficientes e reforçam a teoria de terras sem valor. Neste estudo foi modelada a distribuição potencial de 54 espécies de morcegos que ocorrem em Mato Grosso do Sul, e apresentam acima de 15 registros diferentes de ocorrência. Todas as espécies modeladas estão representadas dentro da rede de unidades de conservação estaduais, porém, em uma porcentagem muito baixa de suas áreas potenciais de ocorrência. Segundo a informação sobre a distribuição potencial das espécies modeladas, a área de maior adequabilidade ambiental para os morcegos foi no Pantanal do Paraguai, Paiaguás, Nhecolândia e na Serra da Bodoquena. O mapa também apresenta probabilidade média de riqueza potencial em áreas de lacunas de inventários de quirópteros no norte do Pantanal e uma faixa de sudeste a nordeste do estado. O direcionamento de estudos e inventários faunísticos nessas áreas poderá reduzir as lacunas no conhecimento não apenas de espécies de morcegos, mas também para outros grupos taxonômicos além de auxiliar a identificação de áreas prioritárias para a conservação como AICOMs e SICOMs.
                              Download
                              Ecologia espacial e sociobiologia de quatis (Carnivora: Nasua nasua) em uma área do Pantanal da Nhecolândia
                              Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                              Tipo Dissertação
                              Data 01/09/2017
                              Área ECOLOGIA
                              Orientador(es)
                                Coorientador(es)
                                Orientando(s)
                                  Banca
                                  • Beatriz de Mello Beisiegel
                                  • Grasiela Edith de Oliveira Porfirio Petry
                                  • Luiz Gustavo Rodrigues Oliveira Santos
                                  • Rita de Cássia Bianchi
                                  Resumo O quati (Nasua nasua) é um carnívoro de médio porte de hábito diurno e crepuscular, que ocorre ao longo da América do Sul. Os quatis são generalistas, se alimentando, principalmente, de frutos e insetos. Devido aos hábitos alimentares e a elevada abundância que esses animais apresentam nos locais onde ocupam é esperado que os quatis desenvolvam um importante papel nas dinâmicas ecológicas florestais. No entanto, pouco se sabe sobre esses animais. Este estudo teve como objetivo descrever a biologia social, área de uso, sobreposição espacial, seleção de habitat e áreas de uso intensivo e recursividade dos quatis. Para melhor compreendermos a ecologia desses animais, também investigamos a viabilidade de localizar os ninhos após as coletas de dados via GPS-telemetria. O estudo foi realizado em uma Fazenda do Pantanal da Nhecolândia, Mato Grosso do sul, entre novembro de 2015 e agosto de 2016. Para capturar os quatis, utilizamos armadilhas do tipo grade e três tipos diferentes de isca. Dez quatis foram equipados com colar-GPS, dos quais oito forneceram dados de movimentação. Durante as capturas, notamos diversas cicatrizes e lacerações nos animais, a maior parte em machos e apenas uma observação em uma fêmea. Durante as atividades de monitoramento, presenciamos uma ocasião em que um quati macho acompanhava um grupo social fora do período reprodutivo, o que não é usual para a espécie. A maior parte das interações entre machos e fêmeas ocorreu durante o período reprodutivo, que neste estudo aconteceu entre os meses de agosto e dezembro. Durante o estudo, registramos a morte de apenas um indivíduo. As investigações dos prováveis ninhos pós-análise de dados foram promissoras e encontramos os locais de dormida entre 62 a 90% das ocasiões. Alguns locais de dormida não resultaram em ninhos, mas foram associados com o uso de palmeiras como local de descanso noturno. Os locais de dormida foram reutilizados em diferentes dias de monitoramento e compartilhados com outros indivíduos da espécie. Os dados de movimentação dos quatis monitorados nos forneceram um total de 29767 localizações (3720 ± 2804), obtidas, em média, durante 36,7 dias (12-59; ± 15,70) de monitoramento por animal. Os quatis apresentaram uma área de uso entre 0,40 a 7,44 km², estimadas pelo método Kernel Fixo 95%. As áreas de uso também foram calculadas pelo método “biased random bridge kernel method/movement based kernel estimation” (BRB). Os valores encontrados a partir dessa abordagem variaram entre 0,41 a 2,40 km² e não diferiram significativamente do primeiro método. De forma geral, os quatis apresentaram diversas áreas de uso intensivo e de recursividade, onde permaneceram um maior tempo médio e para onde retornaram mais vezes. As localizações dos ninhos desses animais coincidiram com essas áreas, o que pode indicar diferentes estratégias de uso do espaço. De forma geral, os quatis selecionaram as florestas em diferentes contextos da ecologia espacial: durante a alocação da área de uso na paisagem, para a localização dos ninhos e durante suas atividades diárias.
                                  Download
                                  Ecologia espacial e biologia social de quatis (Carnivora: Nasua nasua) em uma área do Pantanal da Nhecolândia
                                  Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                  Tipo Artigo Científico
                                  Data 01/09/2017
                                  Área ECOLOGIA
                                  Orientador(es)
                                  • Guilherme de Miranda Mourão
                                  Coorientador(es)
                                    Orientando(s)
                                    • Carolina Martins Garcia
                                    Banca
                                    • Beatriz de Mello Beisiegel
                                    • Grasiela Edith de Oliveira Porfirio Petry
                                    • Luiz Gustavo Rodrigues Oliveira Santos
                                    • Rita de Cássia Bianchi
                                    Resumo O quati (Nasua nasua) é um carnívoro de médio porte de hábito diurno e crepuscular, que ocorre ao longo da América do Sul. Os quatis são generalistas, se alimentando, principalmente, de frutos e insetos. Devido aos hábitos alimentares e a elevada abundância que esses animais apresentam nos locais onde ocupam é esperado que os quatis desenvolvam um importante papel nas dinâmicas ecológicas florestais. No entanto, pouco se sabe sobre esses animais. Este estudo teve como objetivo descrever a biologia social, área de uso, sobreposição espacial, seleção de habitat e áreas de uso intensivo e recursividade dos quatis. Para melhor compreendermos a ecologia desses animais, também investigamos a viabilidade de localizar os ninhos após as coletas de dados via GPS-telemetria. O estudo foi realizado em uma Fazenda do Pantanal da Nhecolândia, Mato Grosso do sul, entre novembro de 2015 e agosto de 2016. Para capturar os quatis, utilizamos armadilhas do tipo grade e três tipos diferentes de isca. Dez quatis foram equipados com colar-GPS, dos quais oito forneceram dados de movimentação. Durante as capturas, notamos diversas cicatrizes e lacerações nos animais, a maior parte em machos e apenas uma observação em uma fêmea. Durante as atividades de monitoramento, presenciamos uma ocasião em que um quati macho acompanhava um grupo social fora do período reprodutivo, o que não é usual para a espécie. A maior parte das interações entre machos e fêmeas ocorreu durante o período reprodutivo, que neste estudo aconteceu entre os meses de agosto e dezembro. Durante o estudo, registramos a morte de apenas um indivíduo. As investigações dos prováveis ninhos pós-análise de dados foram promissoras e encontramos os locais de dormida entre 62 a 90% das ocasiões. Alguns locais de dormida não resultaram em ninhos, mas foram associados com o uso de palmeiras como local de descanso noturno. Os locais de dormida foram reutilizados em diferentes dias de monitoramento e compartilhados com outros indivíduos da espécie. Os dados de movimentação dos quatis monitorados nos forneceram um total de 29767 localizações (3720 ± 2804), obtidas, em média, durante 36,7 dias (12-59; ± 15,70) de monitoramento por animal. Os quatis apresentaram uma área de uso entre 0,40 a 7,44 km², estimadas pelo método Kernel Fixo 95%. As áreas de uso também foram calculadas pelo método “biased random bridge kernel method/movement based kernel estimation” (BRB). Os valores encontrados a partir dessa abordagem variaram entre 0,41 a 2,40 km² e não diferiram significativamente do primeiro método. De forma geral, os quatis apresentaram diversas áreas de uso intensivo e de recursividade, onde permaneceram um maior tempo médio e para onde retornaram mais vezes. As localizações dos ninhos desses animais coincidiram com essas áreas, o que pode indicar diferentes estratégias de uso do espaço. De forma geral, os quatis selecionaram as florestas em diferentes contextos da ecologia espacial: durante a alocação da área de uso na paisagem, para a localização dos ninhos e durante suas atividades diárias.
                                    Download
                                      Remoção Secundária de Diásporos de Jatobá-do-cerrado Hymenaea stigonocarpa Mart. ex Hayne (Caesalpinioideae)
                                      Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                      Tipo Dissertação
                                      Data 15/05/2017
                                      Área ECOLOGIA
                                      Orientador(es)
                                      • Jose Ragusa Netto
                                      Coorientador(es)
                                        Orientando(s)
                                        • Irídia Maria Leme Barbosa
                                        Banca
                                        • Alan Fecchio
                                        • Celine de Melo
                                        • José Carlos Morante Filho
                                        • Rogerio Rodrigues Faria
                                        • Rudi Ricardo Laps
                                        Resumo A predação e dispersão de sementes moldam a dinâmica populacional e a distribuição
                                        das plantas. A dispersão é a remoção de propágulos para distâncias variadas cujo tipo
                                        mais representativo nos trópicos é a zoocoria, por contribuir para a diversidade de
                                        plantas nos ecossistemas. O Jatobá-do-cerrado (Hymenaea stigonocarpa) é uma espécie
                                        arbórea proeminente e seus diásporos são primariamente dispersos pela gravidade e se
                                        acumulam de forma variada sob a copa da árvore. O objetivo desse estudo foi avaliar a
                                        distância de dispersão e o destino dos diferentes diásporos em relação ao tamanho do
                                        diásporo (vagem grande e pequena) e quantidade de recursos presentes (semente com e
                                        sem arilo). Além disso, foi avaliada a distância de dispersão entre período de seca e
                                        chuva, bem como em área onde Jatobá-do-cerrado é comum ou rara. O estudo foi
                                        realizado no Parque Natural Municipal do Pombo, município de Três Lagoas, MS, nos
                                        meses de setembro e novembro de 2015, antes e após a queda dos frutos (dispersão
                                        primária). O experimento consistiu em 24 unidades experimentais, 12 árvores adultas de
                                        Jatobá-do-cerrado no cerrado sentido restrito denso e 12 pontos em campo sujo, em que
                                        quatro tipos de diásporos foram posicionados e marcados para acessar o respectivo
                                        destino. Após 30 dias da montagem do experimento para cada estação realizamos a
                                        coleta dos dados sobre o destino dos diásporos. Em princípio, na estação seca, as vagens
                                        tiveram maiores distâncias (≥ 15 metros) e 100% das vagens foram removidas do local
                                        de origem na área de cerrado sentido restrito, enquanto na estação chuvosa, a maioria
                                        dos diásporos permaneceu intacto. Na área de campo sujo, tanto a estação seca como
                                        chuvosa, as sementes tiveram 78% de remoção, embora tenha ocorrido um aumento de
                                        manipulação das vagens na estação chuvosa. A two-way NPMANOVA indicou o efeito
                                        significativo dos habitats, tipos de diásporo e a interação dos fatores sobre o destino das
                                        vagens e sementes. As vagens por representarem recursos rentáveis percorreram
                                        maiores distâncias, processo que reduz os níveis de mortalidade densidade-dependente.
                                        Depois de manipuladas a longas distâncias, e se abertas, e parte das sementes estocadas
                                        ou não consumidas podem elevar consideravelmente as chances de germinação e
                                        estabelecimento de novos indivíduos
                                        Download
                                        The costs of parental care and skin-feeding in Leptodactylus podicipinus (Anura: Leptodactylidae)
                                        Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                        Tipo Dissertação
                                        Data 10/05/2017
                                        Área ECOLOGIA
                                        Orientador(es)
                                        • Cynthia Peralta De Almeida Prado
                                        Coorientador(es)
                                          Orientando(s)
                                          • Juan Fernando Cuestas Carrillo
                                          Banca
                                          • Cinthia A. Brasileiro
                                          • Denise C. Rossa-Feres
                                          • María Laura Ponssa
                                          Resumo O cuidado parental é muito diversificado entre as famílias de anuros. As espécies do gênero Leptodactylus exibem diferentes modos reprodutivos, incluindo cuidado parental. Este investimento adicional gera custos que os parentais devem enfrentar. Nós usamos Leptodactylus podicipinus, um membro do grupo de L. melanonotus, como modelo para investigar os custos do cuidado maternal e a interação mãe-prole no Pantanal sul. Fêmeas de L. podicipinus cuidam dos ovos e dos girinos até a metamorfose. Esta dissertação de mestrado é apresentada em dois capítulos. No capítulo 1, medimos os custos do cuidado maternal usando dados de captura-recaptura para comparar variáveis energéticas entre fêmeas cuidadoras e não-cuidadoras (i.e. massa do corpo, massa do corpo adiposo, dos ovários e do volume do conteúdo estomacal). No capítulo 2, estudamos a relação mãe-prole, examinando as características da pele, o trato digestório dos girinos e o comportamento para investigar a ocorrência de dermatotrofia em L. podicipinus. Características da pele foram comparadas entre fêmeas cuidadoras, não-cuidadoras e machos. Fêmeas cuidadoras perderam massa após uma semana, comparadas às fêmeas sem girinos. A massa dos ovários e o volume dos estômagos também foram menores em fêmeas cuidadoras e estômagos vazios ocorreram apenas nessas fêmeas com girinos. Porém, não houve diferença na massa dos corpos gordurosos. Nossos resultados indicam que os benefícios do cuidado parental em L. podicipinus podem impor alguns custos às fêmeas, pois a redução na tomada de alimento e na massa dos ovários podem reduzir o tamanho do corpo e a fecundidade futura. Fêmeas cuidando de girinos exibiram epiderme e estrato esponjoso mais espesso. Além disso, a concentração de lipídeos foi maior na epiderme de fêmeas cuidadoras e encontramos células epiteliais no trato digestório de girinos, sugerindo dermatotrofia em L. podicipinus, o primeiro registro deste tipo de cuidado em Anura.
                                          Download
                                          Dichogamous sexual system in Cissus spinosa (Vitaceae): floral biology, synchronicity, and visitors
                                          Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                          Tipo Dissertação
                                          Data 17/03/2017
                                          Área ECOLOGIA
                                          Orientador(es)
                                          • Erich Arnold Fischer
                                          Coorientador(es)
                                            Orientando(s)
                                            • Hannah Lois Doerrier
                                            Banca
                                            • Andrea Cardoso de Araujo
                                            • André Rodrigo Rech
                                            • Erich Arnold Fischer
                                            • Felipe Wanderley de Amorim
                                            • Maria Rosangela Sigrist
                                            • SPENCER CHARLES HILTON BARRETT
                                            Resumo A separação de órgãos sexuais masculinos e femininos em angiospermas é essencial para o seu sucesso
                                            reprodutivo, temporalmente ou espacialmente, pois reduz o autocruzamento e a auto-interferência, e
                                            produz proles mais saudáveis. A dicogamia é uma dessas estratégias com várias subcategorias
                                            relacionadas ao momento específico em que ocorre a maturação e apresentação de estames e pistilos,
                                            tornando-a um fenômeno de diagnóstico complexo, que se acredita ter evoluído para evitar a
                                            autopolinização. Em particular, a sincronização do surgimento de estruturas reprodutivas masculinas e
                                            femininas, dentro das flores, em inflorescências, e em toda planta é um aspecto essencial para evitar a
                                            autofecundação de espécies de plantas dicogâmicas. Além disso, para garantir o sucesso reprodutivo, as
                                            espécies dicogâmicas necessitam de vetores de pólen, como insetos, que visitam as flores masculinas e
                                            femininas para garantir o fluxo de pólen ea produção de sementes. Neste trabalho, investiguei o sistema
                                            sexual e reprodutivo da espécie de liana Cissus spinosa (Vitaceae) no Pantanal brasileiro, que foi
                                            preliminarmente observada como uma espécie com protandria aparentemente sincronizada,
                                            posteriormente questionamos: qual é o sistema sexual de dicogâmico específico e o sistema de
                                            acasalamento desta espécie e quais são os potenciais polinizadores e visitantes florais? Utilizando
                                            espécimes da liana escandente Cissus spinosa no campo, fiz observações da biologia floral, coletas de
                                            todos os estágios do desenvolvimento floral (isto é, fase reprodutiva), sistema de acasalamento e
                                            visitação floral entre os anos de 2014-2016. Através da análise de dados sobre morfologia floral e
                                            maturação de estames e pistilo ao longo do tempo, verifiquei que Cissus spinosa apresentou uma
                                            dicogamia síncrona de vários ciclos, com flores protândricas que apresentavam um alto nível de
                                            sincronização dentro e entre inflorescências de plantas individuais. Cissus spinosa é auto-compatível,
                                            formando frutos em todos os tratamentos do teste do sistema de acasalamento. Os polinizadores
                                            potenciais foram abelhas Apidae, tais como Apis mellifera e Trigona spinipes, juntamente com espécies
                                            de Crabronidae e Vespidae. Outros visitantes incluíram besouros (Chrysomelidae), borboletas
                                            (Nymphalidae), e moscas (Sacrophagidae & Syphridae). Em geral, o tipo de dicogamia aqui relatado
                                            pode ser uma estratégia que ocorre para evitar a autofecundação nesta espécie autocompatível, uma vez
                                            que as inflorescências são sincronicamente masculinas ou femininas e as plantas dentro da mesma área
                                            3



                                            oferecem ambas as fases florais consistentemente ao longo do dia. Esta pesquisa representa o primeiro
                                            relato para este tipo específico de dicogamia no grande gênero de Cissus e pode apontar tendências entre
                                            este gênero ou família, especialmente aquelas em regiões tropicais.
                                            Download
                                            Efeito da perda de habitat associados a impactos hidrelétricos sobre uma comunidade de borboletas frugívoras no sudoeste da Floresta Amazônica brasileira
                                            Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                            Tipo Dissertação
                                            Data 07/03/2017
                                            Área ECOLOGIA
                                            Orientador(es)
                                            • Danilo Bandini Ribeiro
                                            Coorientador(es)
                                              Orientando(s)
                                              • Débora Leite Rodrigues do Carmo
                                              Banca
                                              • André Victor Lucci Freitas
                                              • Danilo Bandini Ribeiro
                                              • Fabio de Oliveira Roque
                                              • Gustavo Graciolli
                                              Resumo Empreendimentos hidrelétricos estão sendo implementados em diversas regiões do
                                              mundo e particularmente na Amazônia. As usinas hidrelétricas causam diversos impactos
                                              ambientais, mas pouco se sabe sobre como essas atividades afetam a biodiversidade do
                                              local onde são construídas. Se faz necessário identificar esses efeitos ambientais para
                                              perspectivas de conservação, e pode-se utilizar sistemas cartográficos e bioindicadores
                                              para avaliá-los. Assim sendo, o objetivo deste trabalho é identificar os impactos de
                                              supressão vegetal causado por uma represa em uma área no sudoeste da Amazônia
                                              brasileira e verificar como a comunidade de borboletas frugívoras da região respondeu as
                                              consequentes mudanças na paisagem. A área de estudo possui uma vegetação
                                              predominantemente ombrófila aberta e o clima da região é classificado como quente
                                              úmido. Nas análises de supressão vegetal, foram utilizadas informações sobre a
                                              construção da hidrelétrica e imagens de satélite para determinar a extensão dos impactos
                                              sobre a floresta. Para avaliar as modificações na estrutura da comunidade de borboletas,
                                              foi conduzido um monitoramento de 16 campanhas em quatro módulos na região de
                                              análise e diversos parâmetros de diversidade da comunidade foram analisados. As seis
                                              primeiras campanhas do monitoramento correspondem a época antes do impacto de
                                              inundação de áreas ocasionado com finalização da represa, e as 10 ultimas são referentes
                                              à depois do impacto. As análises da paisagem mostram que uma grande extensão de
                                              floresta foi suprimida com alagamentos e desmatamentos em virtude das obras da usina,
                                              alterando assim a paisagem na região. Desde o começo da usina houve uma perda de 4%
                                              de cobertura florestal na paisagem e ocorreu mais de 900 km² de desmatamento.
                                              Atualmente resta cerca de 77% de cobertura florestal dentro da paisagem. Durante o
                                              monitoramento das borboletas, foram amostrados 2164 indivíduos pertencentes a 117
                                              espécies e quatro subfamílias. A riqueza da comunidade total foi maior antes do impacto.
                                              10

                                              Porém, depois do impacto o sub-bosque apresentou maior diversidade, e também neste
                                              estrato duas tribos aumentaram em abundância e uma tribo aumentou em riqueza após a
                                              perturbação. Isso pode ter ocorrido devido ao favorecimento de borboletas de áreas
                                              abertas e impactadas nos níveis mais baixos da floresta. Além disso, as ordenações
                                              indicaram uma homogeneização biótica dentro da comunidade, provavelmente devido ao
                                              favorecimento dos mesmos tipos de organismos e a exclusão de outros após o impacto.
                                              Não houve diminuição na diversidade geral da comunidade, mesmo assim as borboletas
                                              frugívoras responderam às alterações na paisagem, se mostrando novamente eficientes
                                              indicadoras ecológicas.

                                              Download
                                              Araneofauna estruturada em gradiente urbano-rural independente da paisagem e da estrutura vegetal
                                              Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                              Tipo Dissertação
                                              Data 06/03/2017
                                              Área ECOLOGIA
                                              Orientador(es)
                                              • Josue Raizer
                                              Coorientador(es)
                                                Orientando(s)
                                                • Juliana Martinho Saraiva
                                                Banca
                                                • Alexandre Bragio Bonaldo
                                                • Antonio Domingos Brescovit
                                                • Danilo Bandini Ribeiro
                                                • Eduardo Martins Venticinqüe
                                                • Josue Raizer
                                                • Rafael Dettogni Guariento
                                                Resumo A urbanização é destacada como um dos principais fatores relacionados a perda de
                                                biodiversidade, porém nem todos os grupos de animais são afetados da mesma maneira
                                                por esse processo. Nós avaliamos os efeitos da urbanização sobre a comunidade de
                                                aranhas ao longo de um gradiente urbano-rural em escala local e de paisagem. As aranhas
                                                foram coletadas com guarda-chuva entomológico em 15 fragmentos, onde foram tomadas
                                                medidas de estrutura vertical da vegetação, as quais representaram os efeitos locais e
                                                medidas de componentes da matriz circundante desses fragmentos através de imagens de
                                                satélite, que representaram os efeitos da paisagem. A composição de espécies variou entre
                                                áreas urbanas e rurais, com espécies ocorrendo exclusivamente em fragmentos rurais,
                                                assim como em fragmentos urbanos. Em áreas da periferia urbana várias espécies foram
                                                comuns aquelas das demais áreas. A comunidade de aranhas não respondeu a estrutura
                                                da vegetação e nem a composição da paisagem ao redor dos fragmentos, o que pode ser
                                                explicado pela alta diversidade de uso de habitat do grupo estudado (aranhas do estrato
                                                arbustivo), uma vez que as respostas são mais claras quando o grupo alvo pertence a uma
                                                mesma guilda. Portanto, há variação na composição de espécies de aranhas ao longo do
                                                gradiente urbano-rural, mas essa variação não depende da estrutura vegetal dos
                                                fragmentos e dos elementos da paisagem que circundam os remanescentes florestais.
                                                Download
                                                Efeito da perda e fragmentação florestal sobre a comunidade de Psitacídeos
                                                Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                                Tipo Dissertação
                                                Data 16/12/2016
                                                Área ECOLOGIA
                                                Orientador(es)
                                                • Maria João Veloso da Costa Ramos Pereira
                                                Coorientador(es)
                                                  Orientando(s)
                                                  • Cármen Sofia Lourenço Lemos Dionísio
                                                  Banca
                                                  • Cintia Cornelius Frische
                                                  • Gláucia Helena Fernandes Seixas
                                                  • José Augusto Alves
                                                  • Jose Manuel Ochoa Quintero
                                                  • Rafael Dettogni Guariento
                                                  Resumo A perda e degradação do habitat a partir da intensa alteração ambiental, resultante de
                                                  atividades antropogênicas, têm efeitos diretos ou indiretos sobre toda a biodiversidade e
                                                  consequentemente sobre a avifauna. Assim, o futuro da proteção e conservação da
                                                  biodiversidade irá implicar um manejo em paisagens cada vez mais antropizadas. Desta
                                                  forma, estudos que considerem fatores da paisagem como a cobertura vegetacional e o
                                                  tamanho do fragmento são cruciais para fazer previsões acerca do efeito do uso do solo
                                                  sobre as comunidades animais e conceber estratégias de gestão eficazes. De forma a
                                                  investigar como as espécies respondem a alterações ambientais, utilizámos as espécies da
                                                  família Psittacidae como modelo. Neste estudo, procurámos avaliar como a comunidade
                                                  de psitacídeos responde aos efeitos da fragmentação florestal e perda de habitat numa
                                                  região do Cerrado. Para tal, analisámos como a riqueza, abundância relativa e
                                                  composição de espécies variam entre paisagens com diferentes coberturas florestais e
                                                  entre fragmentos florestais com diferentes tamanhos. Os nossos resultados indicam que a
                                                  variação observada na riqueza e abundância relativa de psitacídeos não está relacionada
                                                  com a cobertura florestal. No entanto, a composição de psitacídeos varia entre as
                                                  diferentes coberturas florestais das diferentes paisagens analisadas. O tamanho do
                                                  fragmento também não explica as diferenças na variação de riqueza, abundância relativa
                                                  e diversidade de psitacídeos. Além disso, detectamos mais duas espécies de psitacídeos
                                                  para a região da Serra da Bodoquena – Aratinga auricapillus e Forpus xanthopterygius,
                                                  do que os anteriormente descritos na literatura. Os psitacídeos não mostraram um efeito
                                                  claro na resposta às alterações ambientais, provavelmente relacionado com a sua
                                                  capacidade de dispersão para atividades tais como a procura de alimento. Estas espécies,
                                                  distribuídas pelas diferentes coberturas florestais e pelos diferentes tamanhos de
                                                  fragmentos, mostram assim uma resposta positiva à
                                                  indicamos medidas para mitigar os impactos futuros da perda de habitat e sugerimos
                                                  espécies prioritárias para a conservação.
                                                  Download
                                                  Influência da variação interanual das inundações no Pantanal sobre a abundância das populações de dois mamíferos ameaçados: o cervo do pantanal (Blastocerus dichotomus Illiger, 1811) e o veado campeiro (Ozotoceros bezoarticus Linnaeus, 1758)
                                                  Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                                  Tipo Dissertação
                                                  Data 24/06/2016
                                                  Área ECOLOGIA
                                                  Orientador(es)
                                                  • Marcelo Oscar Bordignon
                                                  Coorientador(es)
                                                    Orientando(s)
                                                    • Guellity Marcel Fonseca Pereira
                                                    Banca
                                                    • Helena De Godoy Bergallo
                                                    • José Mauricio Barbanti
                                                    • Liliani Marilia Tiepolo
                                                    • Luiz Gustavo Rodrigues Oliveira Santos
                                                    • Marcelo Oscar Bordignon
                                                    • Roger Rodrigues Torres
                                                    Resumo Em ambientes inundáveis as populações de diversas espécies podem variar devido à
                                                    heterogeneidade temporal e espacial nas comunidades de plantas e da produtividade de
                                                    ecossistemas, mediadas pela duração e intensidade das inundações. O presente estudo
                                                    objetivou avaliar a relação entre a variação da densidade de cervo-do-pantanal
                                                    (Blastocerus dichotomus) e veado-campeiro (Ozotoceros bezoarticus) e a variação nas
                                                    inundações no Pantanal, bem como analisar a magnitude dos efeitos de mudanças
                                                    climáticas sobre a abundância destas espécies. As densidades foram obtidas através de
                                                    levantamentos aéreos cobrindo toda a planície inundável, e foi encontrada uma relação
                                                    significativa entre inundação e densidade apenas para o cervo-do-pantanal. A densidade
                                                    desta espécie variou de 0,16 a 0,32 indivíduos/km² (população máxima estimada em
                                                    44800 ± 7686 indivíduos), enquanto a densidade de veado-campeiro variou de 0,11 a
                                                    0,25 grupos/km² (população máxima estimada de 34800 ± 6369 grupos) durante os oito
                                                    levantamentos aéreos realizados entre 1991-2004. Frente os cenários mais recentes de
                                                    mudanças na precipitação em toda a Bacia do Alto Paraguai, estimamos declínios de
                                                    10% a 25% nas populações de cervo cujas probabilidades de ocorrência são de 85 e
                                                    60%, respectivamente, até 2040, e declínios críticos de 50% a 75% nas populações cujas
                                                    probabilidades são 55% e 60%, respectivamente, até 2100. Sob esta perspectiva, os
                                                    impactos de mudanças climáticas podem ainda ser agravados pela sinergia com
                                                    alterações ambientais que interferem na hidrologia do Pantanal, tais como projetos de
                                                    aproveitamentos hidroelétricos, intervenções nos principais rios para melhorar a
                                                    navegação e canais de drenagem em áreas úmidas.
                                                    Download
                                                    Variação da abundância de Physalaemus biligonigerus (Cope, 1861) (Anura: Leptodactylidae) sob influência da estrutura do habitat e paisagem em área de planície inundável, Brasil
                                                    Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                                    Tipo Dissertação
                                                    Data 23/06/2016
                                                    Área ECOLOGIA
                                                    Orientador(es)
                                                    • Vanda Lucia Ferreira
                                                    Coorientador(es)
                                                      Orientando(s)
                                                      • Pedro Henrique Pereira de Jesus
                                                      Banca
                                                      • Antonio Conceicao Paranhos Filho
                                                      • Christine Strüsmann
                                                      • Cynthia Peralta De Almeida Prado
                                                      • Diego Jose Santana Silva
                                                      • Milton Cezar Ribeiro
                                                      • Vanda Lucia Ferreira
                                                      Resumo As características da estrutura do habitat e da paisagem são determinantes na
                                                      compreensão dos padrões de distribuição, diversidade, riqueza e abundância dos
                                                      anfíbios. A influência do habitat em micro e mesoescala nos parâmetros populacionais
                                                      dos anfíbios é cada vez mais evidente, e cada espécie responde a esses efeitos de
                                                      diferentes formas. Diante disso, investigamos a influência do habitat ao nível de
                                                      microescala e mesoescala na abundância de Physalaemus biligonigerus em uma área da
                                                      porção oeste da sub-região do Pantanal da Nhecolândia. Os indivíduos foram
                                                      amostrados através de armadilhas de interceptação e queda com cerca-guia entre 2008 a
                                                      2014. A abundância de rã-chorona (n = 659) variou ao longo dos anos e campanhas,
                                                      porém, a espécie foi mais abundante na estação úmida. O modelo linear misto
                                                      demonstrou que o índice de umidade por diferença normalizada e a distância da água
                                                      exercem influência significativa sobre a abundância ponderada de P. biligonigerus. Na
                                                      análise de variância, a porcentagem de campo limpo também foi um preditor
                                                      importante, e a mesma interage de modo expressivo com a distância da água. Isso
                                                      demonstra que P. biligonigerus predomina nas áreas de campos e menos distantes da
                                                      água. Nossos resultados evidenciam a influência da configuração da paisagem sobre a
                                                      abundância de P. biligonigerus.
                                                      Download
                                                      Estruturação espaço-temporal, funcional e filogenética de borboletas frugívoras em diferentes estratos verticais de uma Floresta Estacional Semidecidual
                                                      Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                                      Tipo Dissertação
                                                      Data 30/05/2016
                                                      Área ECOLOGIA
                                                      Orientador(es)
                                                      • Danilo Bandini Ribeiro
                                                      Coorientador(es)
                                                        Orientando(s)
                                                        • Poliana Felix Araujo
                                                        Banca
                                                        • Danilo Bandini Ribeiro
                                                        • Fabio de Oliveira Roque
                                                        • Leandro da Silva Duarte
                                                        • Lucas Augusto Kaminski
                                                        • Nicolas Oliveira Mega
                                                        • Nicolay Leme da Cunha
                                                        Resumo Uma das principais perguntas em ecologia de comunidades é entender os fatores que
                                                        afetam a distribuição e composição de espécies no espaço e no tempo. Neste contexto, a
                                                        estratificação vertical da vegetação tem sido apontada como um importante estruturador da composição de espécies dos mais diferentes táxons, uma vez que os estratos
                                                        apresentam diferenças em seus fatores abióticos. No presente estudo buscamos avaliar se a assembleia de borboletas frugívoras estaria estruturada diferentemente entre os estratos
                                                        verticais no Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Este trabalho buscou avaliar, além da composição de espécies, já mostrada em trabalhos anteriores, a diversidade funcional
                                                        e a associação filogenética dos organismos em cada estrato vertical. Para isso, utilizamos armadilhas com iscas atrativas dispostas alternadamente entre o sub-bosque e o dossel ao
                                                        longo de seis transecções independentes no PARNA Serra da Bodoquena. Em um ano de
                                                        amostragem foram registrados 4230 indivíduos, distribuídos em 63 espécies de borboletas
                                                        frugívoras. O sub-bosque foi o estrato mais rico e abundante, enquanto que o dossel apresentou maior diversidade, provavelmente pela alta dominância da espécie Eunica
                                                        Macris no subosque. Porém, observamos um padrão de estratificação vertical sazonal,
                                                        onde verificamos uma inversão nos valores relativos de riqueza e abundância nos meses mais frios, sendo o dossel o estrato mais rico e abundante neste período. A composição
                                                        de espécies diferiu significativamente entre os dois estratos, e todas as subfamílias estiveram presentes tanto no dossel quanto no sub-bosque; a tribo Morphini, pertencente
                                                        a subfamília Satyrinae, ocorreu exclusivamente no sub-bosque. Embora não saibamos exatamente quais os fatores que determinam esta estruturação vertical na assembleia de
                                                        borboletas frugívoras, uma das possíveis hipóteses seriam os fatores abióticos (luminosidade) e/ou bióticos como a distribuição de plantas hospedeiras e a predação. De
                                                        forma geral, sugerimos que a estruturação da assembleia de borboletas frugívoras ao longo dos estratos verticais no PARNA Serra da Bodoquena é em parte determinada pela
                                                        variação nos fatores ambientais entre os estratos, que atua como um filtro selecionando espécies com determinadas características funcionais; todavia, este filtro não é
                                                        filogenético, ou seja, o grau de relacionamento entre as espécies que ocorrem em um estrato não é significativamente diferente do de espécies que ocorrem em estratos
                                                        diferentes. Alguns atributos medidos nestes organismos diferiram significativamente entre os estratos verticais, estando estes atributos correlacionados ao voo e à
                                                        termorregulação. Em borboletas, existem muitos aspectos diferentes relacionados ao voo (velocidade, duração, agilidade, manobrabilidade). A velocidade do voo é positivamente
                                                        correlacionada com a menor amplitude da asa, comprimento e largura do tórax, enquanto que a massa relativa do abdómen é negativamente relacionada à velocidade do voo; em
                                                        geral, voos mais lentos conferem ao organismo maior manobrabilidade. Nesse contexto, a diferenciação funcional entre os estratos verticais encontrada no presente trabalho, pode
                                                        estar relacionada a diferentes estratégias de defesa contra a predação, devido suas características morfológicas e de voo; ainda, pode haver relação direta com biologia
                                                        termal das espécies, que juntas podem auxiliar na fuga contra predadores. Como conclusão, observamos que as espécies de borboletas frugívoras se distribuem
                                                        diferentemente entre o sub-bosque e o dossel. Essa diferença encontrada na composição da assembleia de borboletas frugívoras, associada à diferença funcional, sugere que os
                                                        estratos são fundamentalmente distintos quanto as suas condições bióticas e/ou abióticas, mesmo em uma floresta de menor porte, como a Serra da Bodoquena, que apresenta o
                                                        estrato de sub-bosque e dossel mais próximos um do outro se comparada à Mata Atlântica e à Amazônia. Além disso, constatamos um agrupamento funcional e não filogenético
                                                        entre os estratos verticais; desta forma, podemos sugerir que os processos ecológicos e não os fatores históricos foram preponderantes na estruturação funcional da assembleia
                                                        de borboletas frugívoras entre o sub-bosque e o dossel.
                                                        Download
                                                        Comportamento, uso de recursos e influência de Apis mellifera na rede de interações entre abelhas e plantas
                                                        Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                                        Tipo Dissertação
                                                        Data 23/05/2016
                                                        Área ECOLOGIA
                                                        Orientador(es)
                                                        • Josue Raizer
                                                        Coorientador(es)
                                                          Orientando(s)
                                                          • Júnior Henrique Frey Dargas
                                                          Banca
                                                          • Andrea Cardoso de Araujo
                                                          • Denise Lange
                                                          • Marco Aurelio Ribeiro De Mello
                                                          • Pietro Kiyoshi Maruyama Mendonça
                                                          • Rogerio Rodrigues Faria
                                                          • Rudi Ricardo Laps
                                                          Resumo Neste estudo investigamos as preferências florais, o uso de recursos, o comportamento e
                                                          a importância de A. mellifera em rede de interações plantas-abelhas no Pantanal. Apis
                                                          melllifera foi registrada visitando 36 espécies vegetais, sendo que em 81% das visitas,
                                                          atuou como polinizador. Durante as visitas, a maior parte destas abelhas coletou apenas
                                                          néctar (42%) ou néctar e pólen (36%), e apenas uma menor proporção (22%) coletou
                                                          exclusivamente pólen. Abelhas nativas atuaram predominantemente como
                                                          polinizadoras, exceto Trigona spinipes que atua como pilhador de recursos florais. A
                                                          modularidade nas redes de abelhas e espécies vegetais não foi significativa, sendo
                                                          evidenciado alto aninhamento da rede, sobretudo pela elevada presença de espécies
                                                          generalistas. Após a de remoção da espécie exótica A. mellifera da rede, houve um
                                                          decréscimo do aninhamento, mas a modularidade continuou não sendo significativa,
                                                          evidenciando a importância de A. mellifera no aumento do aninhamento da rede.
                                                          Comparando-se as interações de T. spinipes e A. mellifera não houve diferença
                                                          significativa entre o grau e a centralidade. Apis mellifera demonstrou-se
                                                          supergeneralista, não sendo evidenciadas preferências florais por essa espécie. Sendo
                                                          assim, mostramos aqui que a ocorrência de Apis mellifera, uma espécie exótica
                                                          altamente generalista, altera a estrutura das redes de interação promovendo um alto
                                                          aninhamento, e dimuição da modularidade da rede.
                                                          Download
                                                          Adequação da bacia do Alto Rio Paraná para a reintrodução de ariranhas (Pteronura brasiliensis)
                                                          Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                                          Tipo Dissertação
                                                          Data 09/05/2016
                                                          Área ECOLOGIA
                                                          Orientador(es)
                                                          • Guilherme de Miranda Mourão
                                                          Coorientador(es)
                                                            Orientando(s)
                                                            • Luna Carinyana Silvestre
                                                            Banca
                                                            • Carolina Ribas Pereira
                                                            • Caroline Leuchtenberger
                                                            • Erich Arnold Fischer
                                                            • Jose Manuel Ochoa Quintero
                                                            • Juliana Quadros
                                                            • Yzel Rondon Súarez
                                                            Resumo A bacia do Paraná é considerada área de distribuição histórica das ariranhas (Pteronura brasiliensis).
                                                            Avaliar a ocorrência de ariranhas em áreas de distribuição histórica e identificar áreas para possível
                                                            reintrodução da espécie na bacia são metas do Plano de Ação Nacional para Ariranhas- ICMBio. A
                                                            reintrodução de uma espécie, no entanto, poderá funcionar apenas se a espécie em questão encontrar
                                                            condições adequadas na nova paisagem, sendo necessários estudos que procurem identificar a
                                                            adequabilidade da paisagem para dar suporte a estratégias como esta. Os objetivos deste trabalho consistem
                                                            em (i) averiguar a presença de ariranhas em trechos de rios da bacia do Alto Rio Paraná; (ii) determinar
                                                            variáveis ambientais que favorecem a probabilidade de ocorrência de estruturas construídas pelas ariranhas;
                                                            (iii) determinar se características ambientais de trechos de corpos d’água podem ser usadas para alocá-los
                                                            em categorias segundo a ocorrência conhecida de ariranhas. Para isso percorri trechos da bacia do Alto Rio
                                                            Paraná e da bacia do Alto Rio Paraguai, no Pantanal a procura de vestígios de P. brasiliensis. Sinais de
                                                            presença e ausência da espécie foram amostrados quanto a variáveis ambientais que pudessem estar
                                                            correlacionadas à seleção de habitat. Um modelo de regressão logística foi utilizado para prever a
                                                            probabilidade de algum ponto específico do barranco ser usado por ariranhas, baseado em vestígios deixados
                                                            por elas e uma Análise de Coordenadas Principais (PCoA) foi utilizada para responder se e quais
                                                            características ambientais ordenam a ocorrência de ariranhas nesses trechos e se há disponibilidade destas
                                                            características na bacia do Alto Rio Paraná. Não foram encontrados quaisquer vestígios de ariranhas na
                                                            bacia do Paraná. O modelo logístico indicou que a probabilidade de se encontrar vestígios de ariranhas
                                                            diminui com o aumento da velocidade dos corpos d’água e aumenta conforme o aumento da largura da mata
                                                            riparia. Com a PCoA foi possível identificar que as variáveis velocidade do corpo d’água, textura do solo,
                                                            largura da mata riparia, condutividade da água, inclinação e distância de cidades estão correlacionadas a
                                                            presença de ariranhas em trechos de rios. Os dois primeiros eixos da ordenação PCoA mostraram que as
                                                            bacias do Alto Rio Paraná e Alto Rio Paraguai diferem quanto as características de corpos d’água e sugerem
                                                            que os trechos amostrados na bacia do Alto Rio Paraná não reúnem muitas das características relacionadas
                                                            com a presença de sinais de ariranhas.
                                                            Download
                                                            Elementos estruturadores das metacomunidades de peixes de riachos neotropicais
                                                            Curso Mestrado em Ecologia e Conservação
                                                            Tipo Dissertação
                                                            Data 09/05/2016
                                                            Área ECOLOGIA
                                                            Orientador(es)
                                                            • Yzel Rondon Súarez
                                                            Coorientador(es)
                                                              Orientando(s)
                                                              • Walmir Benedito Freitas Mundim Junior
                                                              Banca
                                                              • Fábio Cop Ferreira
                                                              • Izaias Medice Fernandes
                                                              • Josue Raizer
                                                              • Mauricio Cetra
                                                              • Rudi Ricardo Laps
                                                              • Yzel Rondon Súarez
                                                              Resumo A ecologia de comunidades busca a compreender fatores que determinam a distribuição
                                                              das espécies em múltiplas escalas, partindo deste princípio, o estudo de
                                                              metacomunidades propõe responder questionamentos sobre a relação entre a
                                                              importância das diferentes escalas espaciais e as interações biológicas como
                                                              determinantes da organização da distribuição das espécies. Neste sentido, os riachos são
                                                              habitats ideais para as investigações ecológicas, por exibirem estruturas de forma
                                                              hierárquica contextualizadas em ordem de riachos. No presente trabalho buscamos
                                                              testar a hipótese de que o padrão de distribuição das assembleias de peixes varia na
                                                              bacia do rio Amambai e nas diferentes ordens dos riachos. Utilizamos como modelo a
                                                              bacia do rio Amambai, Alto Rio Paraná, Mato Grosso do Sul. Amostramos 64 trechos
                                                              de riachos ao longo de toda bacia. Registramos 79 espécies de peixes, sendo que riqueza
                                                              e composição de espécies mudou entre as diferentes ordens dos riachos e algumas
                                                              espécies foram mais presentes. A riqueza de espécies, obtida por rarefação,foi maior em
                                                              trechos de riachos localizados na porção inferior da bacia com alta velocidade de
                                                              corrente. Para cada ordem de riacho, as características ambientais que mais influenciam
                                                              a distribuição das espécies mudam. Constatamos diferenças na estrutura da
                                                              metacomunidades, sendo que na bacia como um todo o padrão foi aninhado, nos riachos
                                                              de 1ª ordem quase-aninhamento e nos demais riachos quase-clementsiano. Nossos
                                                              resultados reforçam a ideia de que assembleias de riachos de baixa ordem são mais
                                                              influencia das por características locais e que o aumento do volume dos riachos leva ao
                                                              aumento da riqueza das espécies que estão relacionadas à heterogeneidade espacial e
                                                              posição longitudinal.
                                                              Download
                                                              Página 4 de 14 (20 de 276 registros).